Publicidade
Olimpíadas Judoca

De olho em Paris 2024

Canoense trocou o balé pelo judô e hoje é estrela da delegação portuguesa

Por Shállon Teobaldo
Publicado em: 06.08.2021 às 03:00 Última atualização: 06.08.2021 às 11:14

Tem a saudade da família, do chimarrão no sol com os amigos, do xis coração com maionese caseira, da batata frita do Taberna, dos passeios no Jardim do Lago no Marechal Rondon, do calor humano do brasileiro… Pra viver o sonho de ser atleta olímpica, a pelotense criada em Canoas Rochele Nunes teve que renunciar a muita coisa para chegar a Tóquio e representar a delegação de Portugal na categoria 78kg do judô.

Rochele Nunes judoca Canoas Foto: Divulgação
Aos oito anos de idade, largou as sapatilhas de balé pelo quimono e o tatame. Em sua primeira viagem internacional para competir, aos 15, que contou com o apoio da Prefeitura de Canoas, começou a se destacar e percebeu que o judô era mais do que um esporte, era sua missão de vida.

"Treinando pela Sogipa, ganhei meu lugar na seleção brasileira, disputei vaga para as Olimpíadas de Londres e Rio, mas não classifiquei. Depois disso, a seleção portuguesa viu um dos meus treinos e comentou que faltavam atletas da minha categoria. Não levei muita fé na hora, mas junto com uma amiga resolvi vir para Portugal ouvir a proposta e estou aqui até hoje. A mudança foi positiva, me proporcionou muitas vitórias e a chance em Tóquio. Aqui me sinto mais valorizada no esporte", diz ela, que contabiliza cerca de 20 medalhas como judoca profissional.

Pronta pra mais uma

A frustração de não subir ao pódio quase tomou conta de Rochele, mas depois de viver a tristeza da derrota, já colocou novamente um sorriso no rosto e está pronta para o futuro. "Chorei muito, porque me preparei demais para viver aquele momento, mas agora já consigo sentir a emoção de ter participado da Olimpíada e estou focada em Paris 2024", destaca ela.

Terminando o curso técnico de fisioterapia em Portugal, a judoca planeja, ainda, concluir a faculdade de Fisioterapia, que iniciou na Ulbra, em Canoas. Aliás, quando criança também estudou no Colégio Cristo Redentor, da mesma rede, onde recebeu muito apoio para ser atleta. "Canoas como um todo é uma cidade que investe no esporte e tem muitos nomes para celebrar. Guardo com carinho todo suporte que recebi aí (aqui), foi fundamental para minha carreira".

Inspiração

05/08/2021 ROSANGELA MÃE DA JUDOCA ROCHELE Foto: PAULO PIRES/GES
A história de Rochele, que já chegou a lutar com a mão quebrada, conforme conta a mãe Rosangela Brochado de Jesus, que vive no Bairro Cinco Colônias, é inspiração para outros e outras canoenses. Rosangela é educadora social e sempre recorda a trajetória de superação da filha para incentivar outras mulheres a lutarem por seus sonhos. "Rochele nunca desiste. Criamos nossos filhos para acreditarem em si mesmos, serem o que quiserem e ela rompeu todos os preconceitos como mulher, preta e com o corpo fora dos padrões impostos pela sociedade. Ela sempre reforça, o meu padrão sou eu", diz Rosangela.

O pai, o psicólogo Ubiratan Souza Nunes, e os irmãos Renan e Ruan também são parte essencial dessa história de conquistas. Torcida número um e fiel, a família espera rever a menina de ouro em breve. "O sonho dela se transformou no nosso sonho. É tanto orgulho que não cabe em mim. Já agradeci muito a ela por me escolher como mãe e não vejo a hora de abraçar e beijar muito ela", ressalta emocionada.

Lar é onde o coração está

Junto com o marido, o professor de judô Felipe Quadros, Rochele deixou a casa que compraram para viver em Canoas para apostar em Portugal. Unidos, eles respiram o esporte e sonham com
as próximas vitórias da judoca, mas sem esquecer que sempre terão em Canoas um lar. “Minha família nunca me fez duvidar, sempre fizeram tudo para que eu veja que sou capaz”, diz ela. Rochele já passou por duas cirurgias no joelho e duas na mão. Já sofreu com as derrotas e já perdeu o fôlego com a emoção das vitórias. “Acabei a Olimpíada em 9º no ranking mundial, o que me dá mais liberdade para escolher melhor as competições do próximo ano, treinar tranquila e chegar bem ao final do ciclo”. De malas prontas, a judoca deve vir para Canoas ainda este mês. Sem estragar as surpresas, só temos uma coisa a dizer: prepare o coração, a cidade inteira está te esperando!

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.