Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Região APÓS SER PRESO

'Eu sou inocente' afirma Alberi Dias em seu retorno à Câmara de Vereadores de Canela

Em sessão ordinária nesta segunda-feira, dia 11, parlamentar se defendeu em tribuna e informou que provará sua inocência

Por Fernanda Fauth
Publicado em: 11.04.2022 às 21:47 Última atualização: 12.04.2022 às 13:01

A sessão ordinária da Câmara de Vereadores de Canela desta segunda-feira (11) foi marcada pelo retorno do vereador Alberi Dias (MDB) à cadeira de titular. O parlamentar estava fora da Casa Legislativa, por ser investigado de corrupção pela Operação Cáritas. Ele chegou a ser preso por duas vezes e, na segunda prisão, ficou mais de 40 dias no presídio de Canela. Quando colocado em liberdade, o juiz Vancarlo Anacleto solicitou uma restrição judicial pelo prazo de 60 dias, onde Alberi não poderia retornar às atividades parlamentares, assim como deveria ficar afastado de testemunhas e do Executivo e Legislativo. O período encerrou na última segunda-feira (4).

Retorno de Alberi Dias à Câmara de Vereadores de Canela
Retorno de Alberi Dias à Câmara de Vereadores de Canela Foto: Fernanda Fauth/GES-Especial

Em sua volta à tribuna, o vereador discursou e realizou sua defesa. Em sua fala, questiona o porquê os outros nomes das investigações não são citados e afirma em diversos momentos ser inocente. "Tanta coisa foi debatida nos últimos meses. Eu sou inocente, eu não participo de licitação na Prefeitura. Tudo o que eu faço é trabalhar. Eu não faço esse tipo de coisa. A justiça não culpou ninguém. Nem se montou inquérito", diz em tribuna. 

O político reiterou que o pensamento dele é trazer benefícios e melhorias para a comunidade. "Se for crime organizado, tem que ter ligação entre uma pessoa e outra. Eu só faço coisas boas para as pessoas. Eu não entrei para a política para ganhar dinheiro, pelo contrário. Minha declaração do imposto de renda está disponível aqui na Câmara. Coloco à disposição, para quem quiser ver, o extrato da minha conta bancária dos últimos cinco anos. O que vão ver é o empréstimo, que eu estou pagando, inclusive", justifica. 

Alberi também pediu que fossem apresentadas as provas das acusações de corrupção, desvio de materiais de construção e "rachadinha". "Me provem que foi roubado um centavo do hospital. Como presidente do Legislativo, repassei mais de R$ 2 milhões. Isso não aconteceu. Me sinto injustiçado, não tive a ampla defesa, o contraditório. Foi 'vamos encarcerar' e pronto. É só o meu nome, o meu nome, vão citar os outros. Eu jamais daria a ideia de fazer algo errado, pensa aquela pessoa que não gosta de dar explicação. Por isso sempre tento fazer as coisas certas", reforça. 

Com a chegada de Alberi Dias, Joãozinho Silveira (MDB) volta a ser suplente. 

"40 pessoas envolvidas e só ouvimos falar no Alberi"

Antes do posicionamento de Alberi Dias, o vereador que primeiro citou o nome do investigado foi Jerônimo Rolim (PDT). Durante sua manifestação, o parlamentar da oposição lamentou a não abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). "O que incomoda a gente são 40 pessoas envolvidas e só ouvimos falar no Alberi. O senhor vai se defender aqui. Mas isso serve para mostrar à sociedade o prejuízo de não ter uma CPI. Não sabemos quem são os outros e com a CPI saberíamos e lavaríamos a roupa suja", comenta Rolim.

Já o ex-presidente da Casa rebateu às solicitações de CPI. "Se querem fazer CPI, deveria ser o consenso de todos os vereadores. Porque foi um consenso para mim o Conselho de Ética, então seria o mais correto a ser feito", diz Alberi. 

José Vellinho Pinto (PDT) concordou com seu colega de posição partidária. "Só a CPI vai esclarecer e a comunidade de Canela sabe. Estamos nos tornando vergonha estadual e nacional. E qual foi a resposta efetiva que a Câmara deu? Reafirmo minha posição", argumenta o vereador.

Jefferson de Oliveira (MDB) sugeriu que Dias surpreendesse, assinando a abertura da Comissão. "Eu estava vendo aqui a moção do Caputo, que fazia menção ao campeonato mundial de pizza. Logo vamos ganhar esse prêmio na Câmara também. E queria dizer ao Alberi, o senhor tem nas mãos a maior oportunidade de dar uma resposta a Canela. Pode dar a quarta assinatura para a CPI, onde o senhor vai ser investigado junto", conclui. 

Próximas etapas para cassar ou não mandato

Na sessão ordinária da última segunda-feira (4) foi aceita denúncia por falta de decoro por unanimidade contra o vereador Alberi Dias. Conforme Roberto Grulke (MDB), presidente da comissão parlamentar processante formada através de sorteio, o processo de ética que analisará a conduta do político foi protocolada na terça-feira (8). O investigado pela Operação Caritas tem, agora, 10 dias para apresentar defesa. Após, a comissão tem mais 10 dias para votar pelo arquivamento ou andamento do processo.

Em caso da escolha de arquivamento pelo trio, o plenário é quem julgará ou não pela continuidade da comissão de ética. Ao final de todas as etapas, os vereadores arquivarão o processo ou votarão pela cassação do mandato do vereador Alberi Dias. 

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.