Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Região INFRAESTRUTURA

Liberado para motoristas o novo retorno da BR-116 no trecho de Morro Reuter

Parceria do município com a União possibilitou intervenção na rodovia com investimento de mais de R$ 1 milhão

Por Da redação
Publicado em: 19.03.2022 às 12:14 Última atualização: 19.03.2022 às 14:53

A localidade de Picada São Paulo, em Morro Reuter, ganhou na manhã deste sábado um retorno operacional. A intervenção, no quilômetro 209 da BR-116, próximo ao limite com Picada Café, foi resultado de parceria entre município e União, através do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit). A obra começou no mês de novembro e custou R$ 1.015.830,90. O projeto foi pago por um empresário local.

Retorno no quilômetro 209 da BR-116, localidade de Picada São Paulo, Morro Reuter
Retorno no quilômetro 209 da BR-116, localidade de Picada São Paulo, Morro Reuter Foto: João Ávila/GES-Especial

O Dnit informou que o objetivo da intervenção é dar mais segurança ao trânsito, ao mesmo tempo que atende antiga demanda da comunidade, tendo em vista o crescimento do tráfego de veículos na rodovia.

A prefeita Carla Chamorro comemorou a entrega do retorno. "Trata-se de uma grande conquista que pleiteamos e conseguimos concretizar. A obra concluída trará mais fluidez e segurança para este trecho da rodovia federal", disse, sem deixar de citar o deputado federal Marcel van Hattem, grande parceiro nas demandas da região.

Outros pontos

Com a intervenção no quilômetro 209 entregue, a prefeitura de Morro Reuter segue na luta para que outras duas sejam construídas, uma no acesso à localidade de Birckenthal e outra no acesso à Rua do Paradouro, um dos caminhos para Santa Maria do Herval.

"Com estes três retornos construídos, daremos um ordenamento ao trânsito neste trecho da BR-116", acrescenta a prefeita. Sobre o retorno na Rua do Paradouro, Carla diz que há necessidade de garantir mais segurança no local. "Essa necessidade ficará ainda mais evidente com o uso da via como alternativa para caminhões que hoje usam a VRS-873."

Por ser uma estrada em declive e devido ao grande fluxo de caminhões, a VRS não é segura. Tanto é que vários acidentes já foram registrados no cruzamento com a rodovia federal.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.