Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Região Efeitos

Pandemia faz crescer em 187% procura por testamentos nos cartórios gaúchos

Dados mostram que o crescimento começou um mês após o início da pandemia, em março, e continuam aumentando mês a mês

Por Débora Ertel
Publicado em: 12.11.2020 às 13:58 Última atualização: 12.11.2020 às 14:16

A pandemia de coronavírus, além de alterar a rotina de muita gente, mostrou que há pessoas preocupadas com a sua ausência no futuro. Segundo um levantamento do Colégio Notarial do Brasil, realizado nos Cartórios de Notas do Estado, houve um crescimento de 187% no volume de testamentos realizados no período entre abril e julho deste ano.

Os dados mostram que o crescimento começou um mês após o início da pandemia, em março, e continuam aumentando mês a mês em diversos Estados. Em números absolutos, no Rio Grande do Sul passou de 135 testamentos, em abril, para 387, em julho. Na região, os tabeliães observaram que houve um aumento de interesse do público em saber como se faz um testamento, com pesquisa de custos. No entanto, nem todos os cartórios observaram aumento no número de documentos.

Em Campo Bom, a substituta do tabelião, Rosimeri Becker, conta que desde março houve um aumento no registro testamentos. “Antes, nós fazíamos um por quinzena, agora passou para três, em média. São as pessoas idosas que procuram mais”, comenta. Segundo a profissional, é visível o efeito da pandemia neste crescimento, por conta das pessoas ficarem com medo de perderem suas vidas e deixarem coisas pendentes.

Em Estância Velha, conforme o tabelião Danilo Alceu Kunzler, além de crescer o número de testamentos houve mudança de perfil. “Normalmente eram pessoas mais idosas, mas têm sido clientes entre 35 e 50 anos. Eu acredito que seja efeito da pandemia, pois outra razão não teria”, analisa. Antes, Kunzler fazia de dois a três por mês e, atualmente, tem feito uma média de cinco testamentos. “É um procedimento simples, que não é demorado e nem complicado”, ressalta.

Já a substituta do tabelião de Sapiranga, Nair Welter, conta que o volume de testamentos permanece o mesmo, comparado com outros períodos. 

Números do Brasil

No Amazonas, o aumento foi de 1.000%, o maior do Brasil, acompanhado do Ceará 933%. Ainda destacaram-se Roraima (400%), Distrito Federal (339%), Maranhão (300%), Mato Grosso (300%), Sergipe (260%), Pernambuco (225%), Espirito Santo (175%), Minas Gerais (170%), Alagoas (167%) e Santa Catarina (108%).

Saiba mais

O testamento público é o documento pelo qual uma pessoa (o testador) declara como e para quem deseja deixar seus bens após a sua morte. Para realizar o ato é preciso ter duas testemunhas que não podem ser herdeiras ou beneficiadas pelo testamento, além dos documentos de identidade de todas as partes, requerentes e testemunhas. A presença de um advogado é opcional. O documento pode ser alterado e revogado enquanto o testador viver e estiver lúcido, e terá validade e publicidade somente após a morte do testador.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.