Publicidade
Notícias | Região Estelionato

Promotor de Nova Petrópolis cai em golpe após cadastro no Pix

Vigaristas de São Paulo invadiram conta bancária, pagaram três boletos e deixaram prejuízo de R$ 27,4 mil para o servidor do Ministério Público

Por Silvio Milani
Publicado em: 16.10.2020 às 22:02 Última atualização: 16.10.2020 às 22:07

O Pix ainda não entrou em vigor e já é usado por golpistas para roubar dinheiro de contas bancárias. O promotor de Nova Petrópolis, Charles Emil Machado Martins, é uma das vítimas. Surpreso e revoltado, ele tenta reaver o prejuízo de R$ 27,4 mil por meio de ação cível impetrada nesta sexta-feira. "Como conseguiram entrar na minha conta e baixar o aplicativo do banco sem eu ter dado senha? E como conseguiram pagar três boletos de altos valores em cinco minutos, tarde da noite?”, questiona.

CONTEÚDO ABERTO | Leia todas as notícias sobre coronavírus

O promotor conta que no dia 9 de outubro, aproximadamente 15 dias após ter feito cadastro no Pix, recebeu SMS com a informação de que o cadastro estava desatualizado e seria bloqueado. Na sequência, vieram mensagens de WhatsApp de um celular com logotipo “Banrisul Digital” na foto do perfil. “Me chamaram pelo meu nome completo e conheciam todos os caminhos e teclas para a ativação no caixa eletrônico.” O promotor acabou sendo enganado. Fez a validação solicitada pelos estelionatários, no terminal da agência do Banrisul de Ivoti.

Vigaristas chamaram a vítima pelo nome completo Foto: Reprodução

Sem dados pessoais e senha

“Não passei nenhum dado pessoal, muito menos senha. Me incomoda é que, quando fui habilitar meu dispositivo (aplicativo do Banrisul), tive que ir ao banco, com meu cartão e celular, para uma funcionária me auxiliar. Já os criminosos habilitaram em São Paulo sem passar por isso.” Entre 23 e 23h05 do último dia 13, foram pagos boletos de R$ 9.959,99, R$ 9.998,99 e R$ 7.500,00 com o dinheiro do promotor. “Era como se fossem eu. E ainda conseguiram o que não consigo. Pagar boletos em valor alto. Não consigo tirar mais de R$ 1,5 mil no caixa eletrônico.”

“Estou correndo atrás”

O processo do promotor é contra o Banrisul. “A instituição tem responsabilidade, porque o sistema é falho.” O dinheiro foi parar em duas contas bancárias de uma mulher na cidade paulista de Santo Amaro. “Fiz também pedido de sequestro e bloqueio de valores.” E orienta. “Agora está pouco mais fácil. Faz dez dias que mudou a atuação do Poder Judiciário. O juiz entra na conta para onde foi o dinheiro, tem acesso ao extrato e sabe o destino. Se o dinheiro estiver lá, pode bloquear. Se alguém tirou na boca do caixa, tenho a expectativa de identificar a pessoa.” O promotor frisa que está tornando o caso público como forma de orientação. “É para evitar novas vítimas. E as vítimas devem correr atrás dos seus direitos. Se eu não fizer, ninguém fará por mim, Estou correndo atrás.” Durante a entrevista, no fim da tarde desta sexta, Martins constatava outra surpresa. “Estão on-line agora. Com o mesmo logotipo, dando golpes em outras pessoas.”

Em nota, banco dá dicas de segurança

O Banrisul se manifestou por meio de nota. Diz que os clientes somente podem cadastrar suas Chaves Pix pelo aplicativo Banrisul Digital - criado pelo Banco Central como ferramenta facilitadora de pagamentos on-line, o Pix deve entrar em uso no dia 16 de novembro. “O Banrisul constantemente fornece orientações de segurança aos seus clientes por meio de mensagens nos sistemas, e-mail, SMS, mídias sociais, entre outros, bem como no site www.banrisul.com.br”, diz a nota. E passa dicas parta evitar golpes:

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.