Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | País POLÍTICA

Ciro Gomes cobra de STF posição contra PEC dos Benefícios

Ele disse que a medida - que concede benefícios, como o 'auxílio-caminhoneiro', e amplia programas sociais, como o Auxílio Brasil - é uma violação à Constituição

Por Aramis Merki II/Estadão Conteúdo
Publicado em: 02.07.2022 às 11:21 Última atualização: 02.07.2022 às 11:21

Ciro Gomes, pré-candidato à Presidência pelo PDT, classificou a aprovação da PEC dos Benefícios no Senado como um estelionato eleitoral gravíssimo e cobrou que o Supremo Tribunal Federal (STF) torne a medida inconstitucional. O ex-ministro e ex-governador do Ceará está em Salvador (BA), assim como outros três presidenciáveis, o presidente Jair Bolsonaro (PL), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e a senadora Simone Tebet (MDB-MS).

Ciro cobra de STF posição contra PEC dos Benefícios
Ciro cobra de STF posição contra PEC dos Benefícios Foto: Divulgação/Divulgação
A jornalistas, Ciro disse que a medida - que concede benefícios, como o 'auxílio-caminhoneiro', e amplia programas sociais, como o Auxílio Brasil - é uma violação à Constituição. A PEC tem um custo estimado de R$ 41,25 bilhões, computados fora do teto de gastos.

"É uma emenda que permite a população acreditar que vai ser salva por um socorro, mas que só vale até dezembro. O que significa um estelionato eleitoral gravíssimo e uma violação da própria Constituição que não pode ser emendada com tal vileza. Espero que o STF ponha um reparo a este absurdo", afirmou.

Durante a agenda pela capital baiana, Ciro se encontrou com Tebet. Ambos tentam se viabilizar como alternativa para a chamada terceira via, em opção aos atuais favoritos na disputa, Lula e Bolsonaro.

Logo após, o pedetista publicou nas redes sociais: "Eu e Simone Tebet nos encontramos há pouco, nas ruas, envolvidos pelo calor do povo baiano. Democracia é isso: convivência harmônica e respeitosa."

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.