Notícias | Eleições 2020 Eleições municipais

Os desafios do próximo prefeito na retomada econômica

Candidatos falam de suas propostas para impulsionar a economia de Gramado e Canela no pós-pandemia

Por Letícia de Lima
Publicado em: 09.10.2020 às 03:00 Última atualização: 09.10.2020 às 15:20

O Jornal de Gramado iniciou na última semana uma série de reportagens que propicia espaço aos candidatos a prefeito de Gramado e Canela a abordarem suas propostas para o futuro dos municípios. O último tema versado foi a saúde e, nesta semana, falamos sobre economia. Os postulantes ao principal cargo público da cidade responderam a seguinte pergunta: "Quais suas principais propostas para a retomada econômica do município pós-pandemia?". Esse é um questionamento recorrente do eleitorado ao novo gestor do município, depois de um 2020 cheio de incertezas devido às mudanças impostas pelo novo coronavírus.

É o que confirma a economista e professora da UCS, Maria Carolina Rosa Gullo. Para ela, as tomadas de decisões iniciarão intensas já no primeiro dia de mandato, quando as demandas da sociedade e o interesse empresarial persistirão no centro do debate. "Os próximos meses serão decisivos para a economia, sobretudo, a partir do comportamento das pessoas e da capacidade de gestão do próximo gestor público. Ele vai ter que negociar com as atividades econômicas, com o empresariado, com o próprio setor público, e vai ter que acalmar os ânimos da sua comunidade. Talvez o maior desafio do gestor público vai ser conciliar essas demandas, com a capacidade de tomar decisões que sejam conciliadoras", atesta a especialista.

Pós-pandemia

Para a professora, o pós-pandemia é quase uma incógnita, porque ainda não se sabe exatamente quando esse período chegará - assim como a tão esperada vacina. A doutora salienta que países como Espanha e Itália flexibilizaram suas atividades econômicas e hoje vivem uma segunda onda de Covid-19. "Temos que pensar como vai ser conosco: vamos aprender com esses países do Hemisfério Norte ou vamos simplesmente seguir a mesma batida?", questiona.

Para a especialista, esse será o primeiro grande desafio de 2021. No auge do verão a probabilidade é de que os protocolos de prevenção ao vírus diminuam, ou seja, aglomerações em bares e restaurantes podem ficar mais recorrentes e o uso de máscaras poderá diminuir por causa do calor. "Isso significa dizer que dezembro, janeiro e fevereiro possivelmente ocorrerá uma nova onda, o que prejudicaria muito não só a parte do turismo, mas a economia como um todo", alerta.

A economista frisa, ainda, que é momento de Gramado, Canela e região pensar para além do turismo e fazer com que a qualidade dos produtos produzidos na Região das Hortênsias cheguem mais longe, sem necessariamente passar pela mão do turista. "A região produz chocolate, produz malhas, móveis, artesanato... Então tem que se buscar canais alternativos neste momento para colocar essa produção na rua", sugere.

Um novo perfil de turista

Maria Carolina Rosa Gullo Foto: Reprodução
Tendo em vista que o turismo é a mola propulsora da região, a economista salienta que o desafio mais cruel será a retomada de empregos. Junto a isso, pensar no setor de uma forma que contemple o novo perfil de turista que visita Gramado e Canela. "Percebe-se que a Região das Hortênsias começou em julho e agosto a receber um movimento de turistas regionais de Caxias e da Região Metropolitana. Então mesmo que seja o turista mais local, que fica um dia, no máximo dois, ele traz movimento e uma expectativa de retomada de economia. O que reflete em novas contratações", pondera. Para a especialista, o grande benefício e, ao mesmo tempo desafio para os prefeitos, será essa tendência do turismo mais regional. "A região será naturalmente visitada pelo turista que vai passar no máximo um final de semana. Não que o turista lá do Nordeste não vai vir, ele continua vindo, mas mais intenso é o de passagem. Então é preciso pensar em atrativos para esse público mais passageiro, pensar em produtos que cheguem nele e beneficie o turista de bate-volta", complementa.

 

Quais suas principais propostas para a retomada econômica de Gramado no pós-pandemia?

Beto Tomasini (PSDB)

"Temos que discutir em conjunto com entidades de classe do setor produtivo o rumo que Gramado precisa tomar, além de promover ações de mercado para atrair turistas. Vamos sentar com os segmentos empresariais para encontrar caminhos e soluções para ampliar o nosso potencial como destino, que será fundamental no pós-pandemia. Na questão da Indústria, vamos incentivar cada vez mais o setor industrial e produtivo junto com o trabalhador, oferecendo suporte às empresas já existentes e facilidades para instalação de novas. Queremos montar uma Secretaria de Indústria e Desenvolvimento que trabalhará junto ao segmento empresarial, principalmente na venda dos produtos de Gramado, criando uma plataforma de ações de mercado para potencializar em especial os móveis, malhas e couros que são produzidos aqui. Vamos estar em constante diálogo com as entidades de classe para juntos resolvermos os problemas."

Elias Vidal (PTC)

“Eu sou o candidato que pode trazer mais recursos para o município, como disse na semana passada, sou um cara que tem diálogo com todo mundo, sem ser extremista de esquerda ou de direita. O próximo prefeito tem que ser uma pessoa com afinidade com o setor cultural de eventos e eu conheço muito bem essa área. Não sou só o cara do campo, das abelhas, mas pela Secretaria da Cultura, com parceria com a iniciativa privada, podemos buscar recursos para melhorar a economia de Gramado. Sou o candidato que veio desmentir quem vem com proposta e nem sabe de onde tirar o dinheiro. Então eu quero ser o homem do caixa, alguém que sabe que, para o município andar, precisa de dinheiro. Quero ser um prefeito com desprendimento político, de partido, vou fazer consulta popular para escolher o secretariado que vai para a prefeitura, para colocar lá os melhores, pessoas que tem conhecimento com cada setor.”

Evandro Moschem (MDB)

“É fundamental que o gestor defina propostas que estabeleçam ações estratégicas e eficientes, trazendo resultados de curto e médio prazo, com foco na geração de emprego. No Programa de Retomada Econômica Pós-pandemia, definimos dois momentos de recuperação da nossa economia que serão trabalhados em conjunto. Ações estruturantes a partir da coordenação e mobilização da administração pública em parceria com os setores privado, turístico e de eventos. Também criamos programas específicos que tem como prioridades instituir o ISSQN do Desenvolvimento, minimizar a alíquota para setores estratégicos, criar legislação para Atração de Investimentos e Fomento de Novos Empreendimentos, criar uma Força Tarefa de Fomento para agilizar as atividades econômicas, implantar Loteamento Industrial, implementar o Escritório do Empreendedor, criar um Ecossistema de Diversificação da Matriz Econômica.”

Luia Barbacovi (Progressistas)

“Gramado historicamente sempre protagonizou retomadas econômicas através de nosso empresariado empreendedor, de nossa população e do poder público que sempre estimulou os microempresários individuais, além das micro e pequenas empresas e os artesões gramadenses. A partir de 1º de janeiro de 2021 não será diferente, vamos realizar um censo para avaliar o cenário econômico da realidade estrutural e financeira de nossas empresas. Com as informações em mãos vamos definir as medidas que serão tomadas, a curto, médio e longo prazo. Mas, para que todas as nossas propostas de retomada da economia sejam exitosas iremos desburocratizar a máquina pública, vamos permitir que todo aquele gramadense que deseja empreender tenha acesso direto aos canais de regularização da prefeitura, inclusive ampliando os prazos de cadastramento para aqueles que eventualmente estejam trabalhando na irregularidade, além de permitir o acesso ao habite-se temporário.”

O candidato a vice-prefeito, Luia Barbacovi, substitui o candidato a prefeito, Nestor Tissot, que estava internado com Covid-19

Quais suas principais propostas para a retomada econômica de Canela no pós-pandemia?

Constantino Orsolin (MDB)

“Estamos otimistas com a retomada, pois o nosso governo se preparou para isso! Instituímos o Programa Canela do Futuro que oferece incentivos para atrair empreendedores e já estamos colhendo frutos com a vinda de grandes empresas para Canela. Também estamos implantando o Programa Canela Cidade Empreendedora, que visa criar uma nova matriz econômica e prevê a instalação do CIDICA – Centro Integrado de Inovação e Desenvolvimento de Canela, além de dois parques empresariais multissetoriais para fomentar novos negócios. No setor turístico a Secretaria de Turismo desenvolveu um plano de retomada econômica em parceria com o trade local e Canela recebeu o selo ‘Save Travel’ - reconhecido internacionalmente pela Organização Mundial do Turismo - como um destino seguro neste período de pandemia”.


Tolão (PDT)

“Temos que ser um vetor de diálogo e atração de investimentos para fomentar a geração de emprego, renda e receita pública. Como se faz isto? Através da definição de uma política pública, com mecanismos legais que permitam incentivos para possibilitar a implantação de um projeto novo. Temos alguns problemas sérios neste momento, pois o comércio será muito impactado pelas compras remotas e a indústria levará um tempo para retomada plena. Então, além de apoiarmos estes setores, podemos agilizar questões que nos darão respostas rápidas: os empreendimentos imobiliários que precisam ser agilizados, para gerar emprego e movimentar a cadeia produtiva, e o turismo, que pode aproveitar a dificuldade de viagens para o exterior para atrair este público de bom poder aquisitivo para nossa região.”

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.