Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Canoas RAIOS SOLARES

Mais cuidados com os olhos durante o verão

Oftalmologista explica porque óculos sem certificação de qualidade podem prejudicar a visão

Por Shállon Teobaldo
Publicado em: 03.02.2022 às 03:00 Última atualização: 03.02.2022 às 12:18

Num verão que atingiu temperaturas históricas, de mais de 40ºC, os cuidados com a saúde são exigidos em dobro. Quando se trata dos olhos, não é diferente.

 Andresa investe nas lentes para não sofrer com o sol na ida ao trabalho de bicicleta
Andresa investe nas lentes para não sofrer com o sol na ida ao trabalho de bicicleta Foto: PAULO PIRES/GES
A caixa operadora Andresa Quadros Alvarenga, 20, mora no Mathias Velho e se acostumou a circular de bicicleta até o trabalho, no Marechal Rondon. A jovem não dispensa os óculos escuros para dar conta dos raios solares durante o trajeto.

"Comprei o meu faz um ano e tenho outros em casa, mesmo não sendo original, garanti que esse fosse de primeira linha", explica. "Ele está um pouco arranhado, mas o que eu gostei dele foi a qualidade, as hastes firmes e uma lente que garante durabilidade."

Com maior exposição à luz solar, águas de piscina ou mar, a propensão a problemas oculares aumenta, de acordo com a médica oftalmologista da São Pietro Saúde de Canoas, Tauana Castelani.

"O excesso do contato com o sol, cloro e sal marítimo favorece a ceratite ocular, uma inflamação conhecida pela irritação, fotofobia, sensação de areia nos olhos e ressecamento", explica ela.

Para evitar a doença, Tauana indica hábitos simples, mas eficazes: não abrir os olhos na água sem óculos de natação, usar lágrimas artificiais para limpeza e óculos solar para sair no sol.

Queimadura

Assim como a pele, que demanda o uso contínuo de protetor solar, a superfície ocular também pode sofrer queimaduras durante os dias mais quentes.

Por isso, a oftalmologista reforça a orientação de que as pessoas não comprem óculos sem certificação de qualidade.

"Infelizmente, a maioria destes vendidos na beira da praia não oferecem a proteção necessária. O acessório quando usado dilata a pupila, o que facilita e aumenta a quantidade de raios solares que alcançam a retina", destaca, prosseguindo: "Sem filtro adequado contra os raios ultravioletas UVA e UVB, aumentam as chances de desenvolvimento de pterígio e catarata".

Barato sai caro

Se o argumento da saúde ainda não convenceu, basta lembrar que o barato sai caro. Apesar de os modelos de primeira linha não serem tão em conta, apresentam tempo de vida útil muito maior.

Dicas de saúde contra raios nocivos

Para garantir a saúde ocular também recomenda-se a não exposição ao sol entre 10 e 16 horas, período com maior intensidade dos raios nocivos.

No caso de quem usa lentes de contato, o ideal é retirar para entrar na água ou utilizar lentes de descarte diário, evitando assim o acúmulo de bactérias que causam infecções na superfície da córnea.

"Consulte sempre o médico oftalmologista, ele é o único profissional capaz de fazer diagnósticos oculares", reforça Tauana.
(Colaborou Jeison Silva)

Atenção desde os primeiros meses de vida

Entre os assuntos mais comentados nos últimos dias nas redes sociais está o diagnóstico da filha dos jornalistas Tiago Leifert e Daiana Garbin, Lua, de apenas 1 ano, que está com retinoblastoma, um câncer nos olhos.

Por isso, a doutora Tauana salienta a importância de cuidar da saúde ocular desde os primeiros meses vida. "É essencial que os pais façam o teste do olhinho do bebê. Onde dilatamos as pupilas e, se ao invés de o reflexo ser vermelho, considerado normal, ficar branco, podemos diagnosticar a catarata congênita ou retinoblastoma ainda no início e encaminhar o tratamento", diz ela.

O tumor ocorre principalmente em menores de três anos de idade e pode apresentar, ainda, sintomas como sensibilidade à luz ou estrabismo e olhar vesgo.

Conforme a Associação para Adolescentes e Crianças com Câncer (TUCCA), o principal sintoma, presente em 90% dos casos, é a leucocoria, um reflexo branco na pupila, conhecido como 'sinal do olho de gato'. Sem a passagem de luz, as vias óticas para o centro da visão, no cérebro, atrofiam.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.