Publicidade
Cotidiano | Entretenimento Cultura

50 Tons de Pretas lança EP no Dia Internacional da Mulher

"Então Vem", dentro do projeto Stay Black Tem Preto no Sul, será lançado na data em que a banda completa quatro anos

Por Susi Mello
Publicado em: 05.03.2021 às 16:34 Última atualização: 05.03.2021 às 16:47

Graziela Pires e Dejeane Arruée, da 50 Tons de Pretas Foto: Dilvugação
A 50 Tons de Pretas escolheu o Dia Internacional da Mulher, data em que a banda completa quatro anos, para lançar o seu EP. "Então vem" é o nome da obra que Dejeane Arruée e Graziela Pires estarão apresentando em uma live na próxima segunda-feira (8), às 20 horas, na fanpage da banda, onde falarão sobre o processo e as canções.

O EP é resultado do Tem Preto no Sul, projeto proposto pelo coletivo Stay Black para o Edital Natura Musical, e que vem mostrando seus resultados nos lançamentos de três EPs de artistas/grupos. Além da 50 Tons de Pretas, Dona Conceição e Arlequeen Fenix foram os grupos/artistas escolhidos de um universo de 60 inscritos para estrelar discos.

Para integrar esse projeto tão potente e importante na atual conjuntura, Dejeane e Graziela compuseram canções especialmente para este momento. "Auxílio emergencial", "Então vem" e "Hoje eu não vou" são as músicas, nas quais as duas primeiras abordam questões específicas da política capitalista que oprime a população, e do racismo institucional cada dia mais presente.

Em todas as músicas são acompanhadas pelos músicos João Costa (bateria), Vladimir Godoy (baixo), Xande Santos (guitarra), Tiago Fagundes (percussão) e Gustavo Nunes (violão). Dejeane assina a direção e produção musical do disco.

Trajetória

Graziela declara que a escolha de 8 de março para lançar o EP é importante porque, além de ser o Dia Internacional da Mulher, é um dia de luta, de reflexão, de resistência e também o dia que elas se uniram, enquanto 50 Tons de Pretas, há quatro anos. "Quando a gente olha essa caminhada, de pretas, a gente só tem a se orgulhar e ter certeza que estamos no caminho certo", frisa Graziela, destacando que no dia 20 de novembro do ano passado ficou marcado na trajetória da banda com o primeiro disco autoral "Voa".

A nova obra também é ressaltada por Dejeane. "É extremamente importante porque são duas mulheres fazendo acontecer neste meio musical que a gente sabe que é extremamente machista. É um segundo trabalho em menos de três meses na rua, que tem nós duas em frente a todo processo burocrático, musical e produção de Ilana Marques, outra mulher potente que está sempre junto da gente, participando de nossas lutas, de nossas conquistas", sublinha.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.