Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) estão protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Emílio Leobet, 1559, sala 21 - Bairro Avenida Central - Gramado/RS - CEP: 95670-000
Fones: (54) 3286.1666 - Fax: (54) 3286.4015

PUBLICIDADE
Impasse

Novo capítulo sobre a permanência dos índios em Gramado

Tribo se reuniu com prefeitura e Ministério Público em Caxias do Sul
15/03/2019 10:09 15/03/2019 10:09

Foto por: Divulgação
Descrição da foto: Grupo aceitou conversar de forma amistosa
Um cenário que se repete há décadas ainda estende seus reflexos em 2019: a permanência da tribo kaingang no comércio ambulante em Gramado. Uma nova etapa da discussão aconteceu na quinta-feira da semana passada, dia 7, em Caxias do Sul, na sede do Ministério Público Federal. Integrantes dos grupos de índios se reuniram com a Prefeitura de Gramado e com a procuradora federal Luciana Guarnieri.

A proposta deste novo movimento é maximizar o diálogo entre o poder público e os indígenas que se dirigem à Região das Hortênsias nos períodos de alta temporada. “Nossa ideia é aproximar mais estes grupos para que haja um diálogo amistoso e horizontal”, assegura o secretário de Cultura de Gramado, Allan John Lino. Atualmente, há três famílias comercializando seus itens na área central da cidade (o número já chegou a 17 durante as semanas do Natal Luz).


PROIBIÇÃO
Como resultado concreto da reunião, a procuradora Luciana Guarnieri reforçou a proibição do comércio de produtos indígenas nas vias centrais de Gramado. O argumento da magistrada é que há uma área pré-determinada para esta atividade: o espaço construído junto ao Lago Negro.

Mais espaços, mais famílias

A hipótese de construir novas áreas especiais para a atuação da tribo, a exemplo do que existe no Lago Negro, é descartada pela Secretaria de Cultura de Gramado. “É uma ilusão achar que os índios não irão ao Centro, até porque a lei federal os protege. E também não adianta criar novas áreas, porque assim cada vez mais índios virão para cá”, confirma Allan. “Ou seja: queremos resolver a situação da forma mais tranquila possível, sempre com base em conversas. Mas também não podemos deixar a tribo atuar como tem acontecido nestes últimos anos”, assegura.

Jornal de Gramado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS