Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) estão protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Emílio Leobet, 1559, sala 21 - Bairro Avenida Central - Gramado/RS - CEP: 95670-000
Fones: (54) 3286.1666 - Fax: (54) 3286.4015

PUBLICIDADE
Investigação

Inquérito não comprova abuso a criança em escola de Gramado

Denúncia foi feita pela família da menina em março de 2017
11/01/2019 09:55 11/01/2019 09:55

Uma denúncia de um caso que teria ocorrido em março de 2017 em Gramado, em uma escola infantil do município, caminha para seu desfecho. O fato envolvia uma acusação de abuso sexual a uma criança que na época tinha três anos. O inquérito policial está parcialmente concluído pela Polícia Civil, que desde então vinha apurando o caso. Um professor da rede pública de ensino era o suspeito de ter cometido o abuso. Segundo a família da menina, que foi quem registrou a ocorrência, o educador teria tocado na vagina da criança com uma conotação sexual.



No entanto, não se conseguiu comprovar se o crime ocorreu nos autos do inquérito. “Não foram colhidas provas até o momento que efetivamente comprovem que isso tenha acontecido”, afirmou o delegado Gustavo Barcellos, titular da DP de Gramado. Segundo o chefe da Polícia Civil em Gramado, o inquérito tem cerca de 200 páginas. Foram colhidos depoimentos e a menina foi encaminhada para avaliação psíquica e exame físico.

Inclusive agentes realizaram busca e apreensão na casa do professor, quando objetos como notebook e pen drive foram encaminhados para perícia. “Essa é a única diligência que falta. Nós estamos mandando o inquérito para o Poder Judiciário e para o Ministério Público (MP), mesmo sem o resultado desta perícia em virtude do tempo que decorreu e pela gravidade do fato denunciado. Mas a conclusão com base em todas as provas é de ausência e insuficiência de provas de que tenha havia o ato abusivo”, esclarece o delegado.


Ainda de acordo com a autoridade policial, o professor sempre negou a acusação e se colocou à disposição em todos os momentos para contribuir com a investigação, afirmando que jamais faria um ato dessa natureza. O Jornal de Gramado não divulga o nome do educandário a fim de preservar a identidade da criança, em respeito ao que prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente.

Jornal de Gramado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS