Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) estão protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Emílio Leobet, 1559, sala 21 - Bairro Avenida Central - Gramado/RS - CEP: 95670-000
Fones: (54) 3286.1666 - Fax: (54) 3286.4015

PUBLICIDADE
Dúvidas comuns

Veja alguns dos sustos que os pais podem ter com os recém-nascidos

Manchas, cabeça pontiaguda e descamação são alterações comuns logo após o nascimento
01/06/2018 11:15 01/06/2018 11:27

Claire51700/Pixabay/Reprodução
Primeiros meses são um período de adaptação tanto para o pequeno quanto para os pais
Nasce um bebê, nascem junto milhões de dúvidas. Antes do parto, os pais de primeira viagem têm uma série de questionamentos que, normalmente, são sanados nos tradicionais cursos para casais gestantes.

As mais comuns dão conta dos cuidados com o umbigo, de como dar o banho, como colocar para dormir no berço, as temidas cólicas e a “pega” correta no peito. Tudo isso já faz parte do rol de novidades esperado quando se tem um recém-nascido em casa.

Arquivo pessoal/Arquivo pessoal
Neonatologista Daniel Dewes
Entretanto, depois da alta do hospital, quando o pequeno fica sob responsabilidade exclusiva da mãe e do pai, um verdadeiro mar de dúvidas invade a vida da nova família. Estes primeiros meses são um período de adaptação tanto para o pequeno quanto para os pais.

 O neonatologista Daniel Dewis, professor do curso de especialização em Terapia Intensiva Neonatal da Universidade Feevale, esclarece mais dúvidas que os pais podem ter com os bebês.

Deformidades

Cabeça pontiaguda

De acordo com Dewes, a deformidade é bem frequente. “O caput succedaneum forma-se devido ao deslocamento de líquido nos tecidos moles. Costuma ocorrer na linha média e sobre as linhas de suturas dos ossos cranianos”, cita. É um problema que desaparece, sem intervenção, na primeira semana de vida e, segundo o professor, não há necessidade de tratamento específico.

Torcicolo congênito

Dewes explica que o bebê pode nascer com o torcicolo congênito, quando há um encurtamento do músculo do pescoço, deixando a criança com a cabeça inclinada para um dos lados. “Como há uma limitação da cabeça progressiva nas primeiras semanas, a fisioterapia está indicada sempre quando for detectado”, destaca.

Manchas mais comuns

Céfalo-hematoma

O céfalo-hematoma, que é um edema macio no couro cabeludo, surge com a ruptura de vasos sanguíneos na hora do parto, formando um hematoma em forma de galo na cabeça. Some, sem tratamento, em um período de um a dois meses.

Eritema tóxico

O eritema tóxico são manchas vermelhas que se parecem com picadas de insetos. “Pode ser observado, ocasionalmente, ao nascimento, embora seja mais comum um ou dois dias depois. Estas lesões vermelhas e em relevo são encontradas mais no tronco do que nas extremidades”, diz o professor. Ele explica que elas desaparecem, sem tratamento, por volta de uma semana de vida.

Hemangioma

Já o hemangioma, segundo Dewes, é uma anormalidade vascular que tem coloração lembrando framboesa e ocorre em até 40% dos recém-nascidos. A maioria regride nos primeiros anos de vida.

Descamação

A descamação da pele do recém-nascido ocorre no decorrer das primeiras semanas de vida e é um efeito natural. "Muitas vezes recorremos à aveia para dar banhos", recomenda o neonatologista.

Cuidado com os mitos

A medicina evolui a cada ano e alguns estudos apontam aquilo que é mais indicado no cuidado com os bebês. A dica passada pela mãe, sogra ou tia nem sempre é o melhor para o pequeno. É fundamental se informar com o pediatra sobre os perigos dentro de casa e cuidar com os medicamentos que podem ser usados antes dos dois anos e as dosagens.

Evite beijos nas mãos

A curiosidade em conhecer o novo integrante da família ou saudade de vê-lo novamente deve ser controlada. Nos primeiros meses, as visitas devem ser restritas e os visitantes precisam respeitar algumas normas, como não beijar nas mãos e no rosto da criança, evitar a visita se estiver doente e lavar bem as mãos com água e sabão ou usar álcool a 70% na forma líquida ou em gel. “Essa higiene é importantíssima. Lavar bem as mãos e o antebraço [até a altura dos cotovelos] ao visitar a mãe e o bebê é medida imprescindível”, cita a enfermeira Adriana Reis. 


Jornal de Gramado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS