Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) estão protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Emílio Leobet, 1559, sala 21 - Bairro Avenida Central - Gramado/RS - CEP: 95670-000
Fones: (54) 3286.1666 - Fax: (54) 3286.4015

PUBLICIDADE
Sem provas

Investigação sobre suposto "Pacto Suicida" é concluída sem indiciamentos

Fato repercutiu após suicídio de duas adolescentes em 2014
13/04/2018 09:51 13/04/2018 09:52

Letícia de Lima/GES-ESPECIAL
Gustavo Barcellos, delegado titular da Delegacia de Polícia Civil em Gramado
Mais de 400 páginas de inquérito policial, 42 depoimentos coletados e mais de 10 celulares periciados. Este é o resultado das investigações que apuraram um suposto “Pacto Suicida”, que ganhou repercussão nacional após serem levantadas suspeitas de relação com o suicídio de duas adolescentes em Gramado e Canela, além de outras três tentativas, em 2014.

Apesar de toda a força tarefa montada pela Polícia Civil logo após os fatos para apontar possíveis responsáveis e evitar novas vítimas, o inquérito foi concluído nesta quinta-feira, dia 12, sem nenhum indiciamento. A suspeita era de que os jovens teriam sido incentivados ao suicídio através de um grupo criado em rede social.

No entanto, de acordo com o delegado titular da Delegacia de Polícia em Gramado, Gustavo Barcellos, após aproximadamente quatro anos em buscas de provas, não foram encontradas evidências concretas de que as vítimas teriam sido induzidas à morte. “Dois administradores de um grupo criado logo após os fatos foram investigados, inclusive realizamos buscas e apreensão em suas residências, mas ambos alegaram que se tratava de uma brincadeira. Não há nenhuma comprovação de ligação entre eles e os suicídios ou tentativas”, informou Barcellos.

“Não negamos que existiu o pacto, até porque alguns depoimentos - embora contraditórios - confirmam que realmente possa ter havido um grupo em rede social ou bate-papo que, de certa forma instigava jovens ao suicídio. Mas não conseguimos provar. Não há evidência concreta de que as vítimas em questão tenham sofrido indução de terceiros para o ato”, completou o delegado. Agora, o inquérito será encaminhado ao Poder Judiciário e ao Ministério Público, que poderá aceitar a conclusão e arquivá-lo ou, então, negá-lo e solicitar mais investigações.


Jornal de Gramado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS