Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Emílio Leobet, 1559, sala 21 - Bairro Avenida Central - Gramado/RS - CEP: 95670-000
Fones: (54) 3286.1666 - Fax: (54) 3286.4015

PUBLICIDADE
Polêmica

Chefe de gabinete de presidente do TRF4 pede prisão de Lula em post no Facebook

Corte julgará ex-presidente no próximo dia 24 de janeiro no caso do triplex
06/01/2018 16:26 06/01/2018 16:29

O PT decidiu que irá representar contra a servidora do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) Daniela Kreling Lau que postou em sua página no Facebook um abaixo-assinado pedindo a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Daniela, que é concursada, atua como chefe de gabinete do presidente do TRF4, desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores. No próximo dia 24, a Corte julgará Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex de Guarujá (SP).

A postagem (que agora está restrita a amigos na página de Daniela) diz que o Brasil inteiro “exige a prisão de Lula” e convoca outros seguidores a assinarem o manifesto virtual. O texto ganhou repercussão depois que o presidente do PT gaúcho, deputado federal Pepe Vargas, divulgou print da manifestação em suas redes sociais. Pepe disse ainda: "Não bastasse a declaração do presidente do TRF-4, que mesmo confessando não ter lido a sentença de Moro disse que a peça era 'perfeita', agora a sua chefe de gabinete faz campanha para pedir a condenação de Lula, publicamente e sem cerimônias. O golpe continua em todas as frentes".



Também pelo Facebook, a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, rechaçou a postura da chefe de gabinete do desembargador. "O que Lula pode esperar do TRF4? Parcialidade e perseguição dentro do Tribunal Regional Federal", afirmou.

Por causa da postagem, o partido está estudando as medidas jurídicas cabíveis para questionar a isenção da servidora. As representações devem ser apresentadas a partir da próxima segunda-feira (8). À Rádio Guaíba, o presidente do TRF4, desembargador Thompson Flores, afirmou, por meio da assessoria de comunicação, "que a servidora estava exercendo o direito de se manifestar, como cidadã, em caráter particular". A instituição destacou ainda que Daniela não atua e nunca atuou no julgamento de processos ou em qualquer trâmite da área judicial. 


Jornal de Gramado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS