Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Emílio Leobet, 1559, sala 21 - Bairro Avenida Central - Gramado/RS - CEP: 95670-000
Fones: (54) 3286.1666 - Fax: (54) 3286.4015

PUBLICIDADE
Temporada

Rodeio: onde as gerações e o respeito se encontram

Evento tradicionalista de Canela encerra neste domingo e recebe peões e prendas de todas as idades nas competições campeiras
13/01/2018 16:47 13/01/2018 16:48

Laura Gallas/GES-Especial
Família Oliveira: pai, filho e neto cultuam a tradição disputando no tiro de laço
Desde a última quarta-feira, dia 10, o clima em Canela se resume ao orgulho pela tradição gaúcha no 34º Rodeio Nacional de Canela. Hoje é o último dia da atração que abre a temporada de rodeios no Estado. São cerca de 900 competidores disputando as provas campeiras como tiro de laço, vaca parada, prova de rédeas e gineteada no Parque de Rodeios do Saiqui.

Entre aqueles que carregam no peito essa tradição e o gosto pela lida do campo está a família de João de Oliveira, 58 anos, a rotina de rodeio já atravessa gerações. O filho mais novo do canelense, Jerônimo, 21 anos, faz parte da seleção de peões da 27ª Região Tradicionalista do Estado. Ele está entre os melhores na categoria tiro de laço. “É muito bom esse reconhecimento, e toda a experiência devo à minha família, o apoio deles é muito importante”, destaca o laçador bastante tímido. Outro orgulho do João é o neto Rafael, de 10 anos, que tão jovem já guarda mais de 20 troféus em casa. “Meu sonho ainda é laçar a modalidade Pai, Filho e Neto”, projeta Oliveira com largo sorriso.

Familiar
Há 35 anos sócio do CTG Querência, entidade realizadora do evento, João acredita que o povo segue cultuando as tradições. “Lá atrás era complicado encontrar dez homens para fazer um rodeio, hoje Canela tem 20 piquetes”, conta vitorioso e complementa: “Toda a minha família está envolvida, aqui o ambiente é familiar, de respeito, além de o esporte ser sadio”, frisa o canelense.

O preconceito vencido pela coragem

Laura Gallas/GES-Especial
Itanajara foi uma das primeiras mulheres no tiro de laço da região
Saber bolear o laço, manter o equilíbrio no cavalo, direcionar o boi e cuidar o comprimento da raia. De acordo com Itanajara Vargas, 43 anos, essas são as principais responsabilidades de um laçador. Ela foi uma das primeiras mulheres da região a entrar em uma cancha de rodeio para laçar. “Quando comecei existia muito preconceito, mas eu não dava bola. Hoje torço para que as mulheres sigam representando e incentivando suas filhas a estarem em rodeio. Sou fã de qualquer mulher que está em competição”, destaca com orgulho.

Natural de São Francisco de Paula, aos 11 anos, Ita foi incentivada pelo pai, Juarez da Silva Vargas, a participar da prova Pai e Filha, desde então, até os 19, ela viveu fervorosamente cada disputa. Segundo Ita, é preciso ter coragem em dobro para laçar, além de toda a ligação com o animal. Uma das competições mais marcantes para a serrana foi quando ganhou na modalidade Pai e Filha em Cazuza Ferreira. “Inesquecível”, lembra.

Indumentária que não pode faltar

Laura Gallas/GES-Especial
Angela e Dalto vendem artigos para prendas, peões e cavalos durante o rodeio
Para Dalto e Angela Rodrigues, 38 e 35 anos, a rotina de trabalho agitada inicia em Canela e segue durante os seis primeiros meses do ano. O casal é gerente de uma loja itinerante de pilchas e acessórios para peões, prendas e cavalos e viajam o Rio Grande do Sul e Santa Catarina levando os artigos aos rodeios. “Quando viajar se torna o teu trabalho é muito cansativo, mas a gente aprende a gostar”, relata o gerente. Dalto destaca que não tem artigo mais vendido. “O pessoal compra de tudo”, conclui.

Saiba mais

Laura Gallas/GES-Especial
Além do tiro de laço as disputas seguem na gineteada no Parque de Rodeios do Saiqui
Quem for aproveitar o domingo no evento tradicionalista, as disputas iniciam às 8 horas no Parque de Rodeios do Saiqui com prova de rédeas e tiro de laço. À tarde tem as competições de vaca parada e a gineteada. A entrada é gratuita e o valor do estacionamento é 15 reais. As provas artísticas de dança, gaita, trova, declamação e intérprete vocal acontecem no Salão de Eventos do Santuário de Caravaggio, ao lado do parque.

O patrão do CTG Querência, Gilnei do Nascimento, 51 anos, comemora o número do público que está frequentando o local e os fandangos. Nascimento frisa, ainda, que são aguardas mais de 30 mil pessoas até o final da tarde deste domingo. No total, serão cerca de 50 mil reais em prêmios distribuídos aos vencedores. “Preparamos um lindo evento e, com certeza, os melhores peões e prendas da região estão competindo aqui. Vale a pena conferir”, convida.




Jornal de Gramado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS