Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Emílio Leobet, 1559, sala 21 - Bairro Avenida Central - Gramado/RS - CEP: 95670-000
Fones: (54) 3286.1666 - Fax: (54) 3286.4015

PUBLICIDADE
Cargos comissionados

Ex-prefeito de São Francisco de Paula tem condenação confirmada pelo Tribunal de Justiça

Por fazer aprovar lei inconstitucional que cria cargos de confiança, Décio Antônio Colla já havia sido condenado em primeiro grau em 2015
02/01/2018 18:20 02/01/2018 18:21

Alexandre Santos/Especial
Ex-prefeito de São Francisco de Paula, Décio Colla (PT)
Acompanhando entendimento do Ministério Público, a 21ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul manteve a condenação do ex-prefeito de São Francisco de Paula, Décio Antônio Colla à perda do cargo público, suspensão dos direitos políticos por três anos, proibição de contratar com o poder público pelo mesmo prazo, além do pagamento de multa de 20 vezes sua remuneração à época dos atos de improbidade administrativa pelos quais foi condenado. Aos vereadores Arquimedes da Silva Aguiar, Claudio Adalberto de Oliveira Andrade, Pedro Edual da Rosa e Thiago Carniel Teixeira, foi aplicada multa de 10 salários cada um.

Conforme ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público em abril de 2013, o prefeito da cidade encaminhou, em setembro de 2011, o Projeto de Lei 58/2011, para a recriação de cargos em comissão que já haviam sido declarados inconstitucionais anteriormente por meio de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin). O projeto de lei era uma tentativa de burlar a realização de concurso público. Em 21 de dezembro do mesmo ano, os vereadores votaram pela aprovação do projeto, mesmo cientes de sua inconstitucionalidade. A aprovação da lei ocorreu mesmo após a expedição de uma recomendação do MP, informando que a medida era inconstitucional. Atuou no processo o promotor de Justiça Bruno Pereira.

Em outubro de 2015, Colla foi condenado em 1º grau na Justiça gaúcha.

Na decisão desta terça-feira, a 21ª Câmara Cível reitera que “é evidente a intenção dos demandados em não observar os princípios da legalidade, impessoalidade e moralidade administrativa. A conduta de Décio (...) teve o claro intuito de frustrar o princípio da acessibilidade aos cargos mediante concurso público, nos termos do art. 37, II, da CF, colocando pessoas a eles ligadas em cargos comissionados, mesmo sem que fossem verdadeiramente de chefia, direção ou assessoramento. Em realidade, foram recriados, por meio de nova lei, cargos em comissão anteriormente declarados inconstitucionais, como forma de burlar a necessidade de realização de concurso público, não relacionados com função de direção, chefia ou assessoramento que lhes seriam próprias”.

O ex-prefeito e vereadores estão sendo contatados pela reportagem para se manifestar sobre o assunto.


Jornal de Gramado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS