Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Emílio Leobet, 1559, sala 21 - Bairro Avenida Central - Gramado/RS - CEP: 95670-000
Fones: (54) 3286.1666 - Fax: (54) 3286.4015

PUBLICIDADE
Segurança

Autor de latrocínio contra idosos é procurado pela Polícia

Renato Lourenço, vulgo "Veja", foi identificado na sexta-feira
29/11/2017 10:08 29/11/2017 11:22

Reprodução
Procurado: Renato Lourenço, de 29 anos
O responsável por vitimizar fatalmente o casal de idosos da Várzea Grande, em Gramado, foi identificado e está sendo procurado no litoral gaúcho desde a sexta-feira, dia 24. Renato Lourenço, vulgo “Veja”, de 29 anos, tem antecedentes criminais por furto, receptação, posse de drogas, tráfico, resistência e ameaça.

O morador da Vila do Sol, na Várzea, havia prestado, recentemente, serviços de pintura para as vítimas Jorlita e Mario Wolff, de 76 e 79 anos. Após concluído o trabalho para o casal, Renato foi contratado por um prédio vizinho para também trabalhar como pintor. “Então ele tinha conhecimento sobre como ingressar na propriedade das vítimas”, explicou o delegado de Polícia Civil de Gramado, Gustavo Barcellos.

O CASO
O crime ocorreu na madrugada da quinta-feira, dia 23, entre 0h30 e 1h30. Conforme as investigações, o criminoso estava durante toda a noite de quarta em um bar nas proximidades da residência do casal, situada na Avenida 1º de Maio. Ele assistia a um jogo de futebol. Quando a partida terminou, ele se dirigiu à casa de Jorlita e Mario - e acessou o local pelo prédio vizinho no qual estava trabalhando. “Inclusive chegou a perder um dos chinelos quando pulou a cerca”, comenta o delegado.


Crime levou menos de uma hora
A questão que ainda resta ser apurada pela Delegacia de Polícia é o modo pelo qual Renato Lourenço acesso a casa – visto que não há sinais de arrombamento na residência. “Ainda estamos averiguando se Mario abriu a porta para o criminoso porque foi chamado por ele ou se a vítima se assustou com barulhos e foi para a área externa da casa ver o que estava acontecendo”, relata Barcellos.

A confirmação é de que Mario Wolff foi atingido no pescoço, por golpes de faca, ainda na parte de fora da casa, onde acabou falecendo. “No entanto, a causa da morte ainda vai ser confirmada, porque pode ter sido em função da facada ou até um estrangulamento. Ainda precisamos esperar a perícia”, conta o delegado. A faca utilizada para o crime era de propriedade das vítimas, tendo sido reconhecida pelos familiares. O autor do crime, inclusive, deixou o objeto no interior da residência.

Em seguida, o criminoso se dirigiu até o quarto onde estava Jorlita Wolff e também vitimizou a senhora de 76 anos. Vizinhos chegaram a ouvir murmúrios vindos da residência do casal, mas não agiram porque, segundo eles, imaginavam se tratar de uma briga entre as vítimas. “Após roubar quantias em dinheiro e uma garrafa de uísque, o criminoso trocou de roupa, deixando sua bermuda na própria casa. As roupas que ele saiu usando eram da própria vítima”, explica.

Em torno de 1h30 da quinta, Renato Lourenço saiu pelo portão eletrônico da frente da casa (o controle do portão, inclusive, foi encontrado em um arbusto próximo). “As câmeras de vigilância mostraram o momento em que ele sai calmamente do local”, confirma Barcellos.


Prioridade: “ele vai ser preso”
Após sair da residência, Renato conseguiu uma carona para se dirigir até a rodoviária de Gramado. Em seguida, caminhou até a área central da cidade, onde pediu um táxi até o litoral norte gaúcho. “Essa é a última vez que ele foi visto”, conta o delegado. “Nossa equipe está tratando o caso como prioridade. Trabalhamos, inclusive, com as delegacias de cidades litorâneas. Não há dúvidas, ele vai ser preso”, assegura Gustavo Barcellos.


Um dos casos mais violentos das últimas décadas
Atuando há cerca de 10 anos em Gramado, o delegado Gustavo Barcellos garante que não se recorda de um crime tão brutal e covarde na região. “Foi o mais violento no qual trabalhei pela forma em que ocorreu, por ter sido contra um casal e por serem eles idosos vulneráveis. Foi de uma agressividade que não se pode descrever”, opina Barcellos. O próximo passo das investigações, segundo ele, será ouvir os familiares das vítimas a partir da próxima semana.



Jornal de Gramado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS