Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Emílio Leobet, 1559, sala 21 - Bairro Avenida Central - Gramado/RS - CEP: 95670-000
Fones: (54) 3286.1666 - Fax: (54) 3286.4015

PUBLICIDADE
Reajuste

EGR promete investir R$ 213 milhões em obras na região

Desde segunda, o aumento foi de dois reais nas praças de toda a região
03/10/2017 09:39 03/10/2017 09:39

Letícia Rossa/Ges-Especial
Praça da RS-115, em Três Coroas, é a que mais registra fluxo de veículos
Desde a segunda-feira, o preço do pedágio nas três praças da Região das Hortênsias teve um reajuste de R$ 34,65%. De R$ 5,90, cada passagem pela cancela passou para R$ 7,90 em Gramado, Três Coroas e São Francisco de Paula.

A EGR, que administra estas três e outras 11 praças no Estado, justifica o reajuste para restabelecer parte da capacidade de investimentos da empresa pública, possibilitando a execução de uma série de demandas prioritárias nos próximos seis anos, revelou o diretor-presidente da EGR, Nelson Lidio Nunes, ao anunciar o aumento na sexta-feira.

Ao mesmo tempo que anunciou o aumento na tarifa, a EGR fez uma projeção de arrecadação e de investimentos nos próximos seis anos. Na região, a previsão é de arrecadar R$ 245.493.171,00 e os investimentos alcançarão R$ R$ 213.298.492,00. Estes valores se referem a administração dos serviços, além de conservação, manutenção e investimentos nas rodovias.

Somente no ano que vem, a previsão de investimentos é de R$ 33,3 milhões. “Mesmo com a limitação de recursos, a EGR já vem fazendo mais do que as concessionárias anteriores e com a recomposição será possível incrementar estes investimentos”, garante Nelson Lidio Nunes.


Participação social não foi satisfatória, segundo Corede
Falta de diálogo com a sociedade. Este devido a este fator que o Conselho Regional de Desenvolvimento (Corede) da Região das Hortênsias se posicionou contra ao aumento das tarifas nos pedágios. Para o presidente da instituição, Leonardo Peroldt, a forma pela qual o processo foi conduzido não é a adequada. “Os Corepes, que discutem as rodovias pedagiadas, foram desarticulados. A sociedade não participou e não tomou conhecimento sobre os valores propostos. E o Conselho de Administração da EGR é formado por secretarias do Estado, o que corrobora com o nosso descontentamento na perspectiva participação social”, explica Peroldt.

A ordem em que foi efetuado o reajuste das tarifas está invertida, segundo ele. O ideal, conforme opina o presidente, seria que fossem avaliadas as obras necessárias nas rodovias e seus custos – para só então definir as tarifas. “Hoje não temos um plano fisico financeiro. Como saber, então, se o valor é o correto? Por isso enviamos uma documentação solicitando mais informações à EGR”, confirma o líder do Corede Hortênsias.


Para Amserra, aumento terá reflexos negativos
O presidente da Associação dos Municípios da Serra (Amserra) e prefeito de Nova Petrópolis, Regis Luiz Hahn, se mostrou contrário ao aumento ainda na semana passada. “Essa mudança terá reflexos negativos imediatos no que diz respeito ao turismo na Região das Hortênsias. Além disso, falta clareza na proposta de aumento por parte da EGR. Foi anunciado o investimento na ordem de R$ 1 bilhão nas estradas gaúchas, valor proveniente do aumento das praças de pedágio, mas qual é o plano de investimentos nas rodovias? Existe algum cronograma de obras específicas para cada trecho?”, questiona.
A expectativa do presidente da Amserra é que, devido ao reajuste, os pedidos protocolados junto à EGR sejam atendidos com mais agilidade.


Jornal de Gramado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS