Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Emílio Leobet, 1559, sala 21 - Bairro Avenida Central - Gramado/RS - CEP: 95670-000
Fones: (54) 3286.1666 - Fax: (54) 3286.4015

PUBLICIDADE
Depoimento

Único 'pacto de sangue' é entre Palocci e a Lava Jato, diz Lula a Moro

Advogado do ex-presidente diz que petista não foi orientado a questionar imparcialidade do juiz

Heuler Andrey/AFP
Lula em comício após depor a Moro

O advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Cristiano Zanin, disse nesta quarta-feira (13) que o petista afirmou ao juiz Sergio Moro que o único "pacto de sangue" que existe é entre Antonio Palocci e a operação Lava Jato.

Na semana passada, o ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil nos governos Lula e Dilma afirmou que Lula estranhou as ofertas financeiras feitas pelo patriarca da construtora Odebrecht, Emílio Odebrecht, no final de 2010, quando terminava seu segundo mandato, mas ordenou que o dinheiro fosse recolhido. As benesses incluíam R$ 300 milhões destinados ao PT, um sítio e R$ 200 mil por palestras de Lula a partir de 2011, quando ele já estivesse fora do cargo de presidente da República.

Criatiano Zanin declarou que o depoimento de Palocci não despertou nenhum tipo de preocupação em seu cliente. "Não preocupa, simplesmente porque o depoimento do ex-ministro Palocci foi prestado sem compromisso da verdade, contém contradições internas com outros depoimentos e porque nada do que ele disse foi provado. E hoje, o ex-pressidente Lula, quando perguntado sobre o assunto, respondeu que por tudo isso que já ocorreu nos processos, a única hipótese possível de pacto de sangue é entre o ministro Antonio Palocci e a Lava Jato", respondeu.

Segundo Zanin, não houve orientação para que Lula questionasse Moro sobre a imparcialidade do juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, responsável pelos processos da Lava-Jato.

"Foi uma pergunta feita de forma espontânea, feita pelo ex-presidente Lula e que, ao meu ver, revela a preocupação dele com a falta de um julgamento justo, imparcial e independente. Então, se ele ali tinha a oportunidade de fazer sua autodefesa, ele também aproveitou essa oportunidade para, de forma espontânea, apresentar essa questão, que ele vem colocando de longa data e que coincide com a visão da defesa", afirmou o advogado.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS