Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Emílio Leobet, 1559, sala 21 - Bairro Avenida Central - Gramado/RS - CEP: 95670-000
Fones: (54) 3286.1666 - Fax: (54) 3286.4015

PUBLICIDADE
Região das Hortênsias

Tarifas do pedágio podem sofrer aumento

Novo valor ainda não foi definido pela EGR

Letícia Rossa/GES-Especial
Gramado-Três Coroas: pedágio na RS-115 é o que mais arrecada
Nas próximas semanas, as tarifas cobradas em 14 praças de pedágio administradas pela Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR) poderão sofrer um reajuste. As taxas não são alteradas desde 2007 – e, segundo a EGR, algumas cidades ainda registraram redução na cobrança em 2013.

A possibilidade de aumentar o preço nos pedágios, conforme o diretor-presidente da autarquia, Nelson Lidio Nunes, ainda está em discussão. Este é o motivo pelo qual ainda não há definições sobre qual seria o valor exato das novas tarifas. O objetivo, do reajuste, segundo Nunes, é ampliar a arrecadação e, por consequência, garantir mais recursos para melhorias nas estradas. “Temos muita demanda reprimida, e essas solicitações da comunidade todas são custeadas pela taxa”, afirma.

Para que entre em vigor, o reajuste precisa ser aprovado pelo conselho administrativo da EGR. A análise da proposta deve ocorrer nos próximos dias. “A ideia é contemplar todas as rodovias, porque todas as praças têm demandas reprimidas. Não estamos propondo nada por enquanto em termos de valores, apenas fizemos apenas uma constatação de que há defasagem nas tarifas”, justifica Nunes.

Medida também é aplicada em Gramado

A possível alteração no preço praticado nos pedágios deverá atingir as três praças situadas na Região das Hortênsias: em Gramado-Nova Petrópolis (na RS-235), em Gramado-Três Coroas (na RS-115) e em Canela-São Francisco de Paula (na RS-235). Em 2013, as tarifas destes três pedágios sofreram uma redução após o Governo Estadual criar a Empresa Gaúcha de Rodovias. “Os preços diminuíram 25% da tarifa do carro, 40% para ônibus e 60% de caminhão”, informa Nunes. No entanto, ele relata que esta ação foi realizada sem qualquer tipo de estudo – o que levou a um desequilíbrio nas contas da EGR. “Hoje o que mais degrada as rodovias é o excesso de peso dos caminhões, que reduz em pelo menos 35% a vida útil do asfalto”, completa o presidente da autarquia.

Arrecadação regional: lucro de R$ 500 mil

Entre os meses de janeiro e junho de 2017, as três praças de pedágio da região arrecadaram, juntas, em torno de R$ 16,1 milhões. Neste mesmo período, conforme números fornecidos pela EGR, foram registrados R$ 15,6 milhões de despesas. Ou seja, nos seis primeiros meses deste ano, os três pedágios geraram, juntos, um lucro de cerca de R$ 500 mil.

Entre as três (Gramado, Três Coroas e São Francisco), a que mais registra fluxo de veículos (e, portanto, tem mais receita) é a praça entre Gramado e Três Coroas, na RS-115. Só neste ano, até junho a EGR arrecadou neste pedágio pouco mais de R$ 6,8 milhões, conforma indica a tabela abaixo.

RECEITA – JANEIRO A JUNHO DE 2017

Gramado/Três Coroas (RS-115) – R$ 6.875.438,74

Gramado/Nova Petrópolis (RS-235) – R$ 6.093.775,49

Canela/São Francisco (RS-235) – R$ 3.120.423,46

TOTAL – R$ 16,1 milhões

DESPESAS – JANEIRO A JUNHO DE 2017

Gramado/Três Coroas (RS-115) – R$ 6.234.917,85

Gramado/Nova Petrópolis (RS-235) – R$ 5.979.583,83

Canela/São Francisco (RS-235) – R$ 3.402.494,88

TOTAL – R$ 15,6 milhões

*Fonte: Empresa Gaúcha de Rodovias.

Ações para os próximos 30 anos

A partir de estudos feitos pela atual gestão da EGR, foi elaborado um plano de exploração das rodovias pedagiadas para um prazo de três décadas. Ele leva em consideração a durabilidade das vias e também a previsão de obras e necessidades em cada ponto. “Temos esse estudo preliminar pronto, que será encaminhado para o conselho. Depois de ser deliberado, ele ainda pode sofrer alterações, ser ou não autorizado, depende da análise que for feita”, explica Nunes.

*Colaborou Karina Sgarbi


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS