Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Emílio Leobet, 1559, sala 21 - Bairro Avenida Central - Gramado/RS - CEP: 95670-000
Fones: (54) 3286.1666 - Fax: (54) 3286.4015

PUBLICIDADE
Emergência

Doenças respiratórias preocupam no inverno

Gripe, resfriado, sinusite e pneumonia são os problemas mais frequentes

PixaBay/Divulgação
Tanto a gripe quanto o resfriado são causados por vírus, mas de grupos diferentes

Casos de doenças respiratórias superlotaram hospitais da região na última semana. Embora o frio ainda não tenha se firmado por longo período neste inverno, as mudanças bruscas de temperatura também prejudicam a saúde. O médico emergencista Lúcio de Almeida Dornelles, coordenador do Serviço de Emergência do Hospital Municipal de Novo Hamburgo (HMNH) diz que os problemas mais frequentes neste período são a gripe, resfriado, sinusite e pneumonia. “Também temos mais casos de agravamento das doenças crônicas respiratórias, como asma e doença obstrutiva pulmonar. Nessa época, representam aumento de 30 a 40% dos atendimentos por doenças respiratórias”, destaca. Segundo ele, desde o início do inverno, houve um crescimento de cerca de 10% nas internações relacionadas a doenças respiratórias no HMNH. O público mais suscetível são crianças, idosos e pacientes com doenças crônicas, sobretudo as respiratórias.

O médico reforça que é importante adotar alguns hábitos para evitar o adoecimento. “Com baixas temperaturas, costumamos fechar as janelas dos meios de transporte e das salas onde trabalhamos. Dessa forma, não temos circulação de ar, o que acarreta na maior facilidade para dissipar essas doenças”, observa, acrescentando que também é importante fazer a higienização das mãos com frequência e tossir ou espirrar no punho ou no dorso da mão.

Dornelles ressalta, ainda, que a população só deve procurar os serviços de emergência quando realmente estiver com sintomas para atendimento nestes locais. “Muitas pessoas procuram atendimento nas unidades (PA, UPA e HMNH) onde realmente tem pacientes com sintomas respiratórios graves, aumentando risco de contaminação de outro usuário que foi consultar por uma causa que poderia aguardar o atendimento da sua UBS (Unidade Básica de Saúde) ou ESF (Estratégia de Saúde da Família)”, alerta.

Qual a diferença entre gripe e resfriado?

Tanto a gripe quanto o resfriado são causados por vírus, mas de grupos diferentes. A gripe normalmente apresenta sintomas como febre, dor muscular, dor de garganta, dor de cabeça e tosse. Os sintomas têm duração média de três a cinco dias. “Já no resfriado é mais comum a coriza e não costuma apresentar febre. Além disso, os sintomas são de duração de menor tempo que a gripe”, explica Dornelles. Em nenhum dos casos há necessidade de uso de antibióticos, pois são doenças virais auto limitantes. A melhor estratégia contra a gripe é a vacinação anual, diminuindo o risco de adquirir a doença e também de complicações e hospitalizações. Quanto mais pessoas forem vacinadas, menos o vírus influenza será disseminado e mais pessoas dos grupos prioritários e de risco, que podem ser atingidos de forma mais grave, estarão protegidas.

Sinusite é decorrente de outras doenças

Dor ou pressão na face, rinorreia (drenagem de secreção pelas narinas) amarela ou esverdeada, halitose (cheiro forte pelas narinas). Pode ou não haver congestão nasal (sensação de inchaço interno no nariz e face), assim como gotejamento posterior (quando a secreção drena do fundo do nariz para a garganta). Estes sintomas são característicos da sinusite, que é a infecção dos seios da face. Em geral, é decorrente de outras doenças associadas como rinite, gripes, resfriados e alergias. A otorrinolaringologista Jeanne Oiticica diz que os casos são frequentes no inverno porque o frio reduz o batimento mucociliar (sistema responsável pela limpeza das impurezas do nariz), o que facilita a entrada de agentes infecciosos.

Pneumonia é oportunista

A pneumonia ocorre quando há uma inflamação nos pulmões, podendo ser causada por vírus e bactérias. Além da tosse intensa, entre os principais sintomas da doença estão a febre e dificuldade para respirar. A pneumonia pneumocócica atinge, na maioria das vezes, idosos e pacientes que apresentam o sistema de defesa debilitado por outra causa, como gripe e doenças crônicas. Segundo o pneumologista Mauro Kreibich, a pneumonia é oportunista principalmente quando há diferentes alterações climáticas em um curto período.

Atenção aos sintomas

As doenças respiratórias costumam causar:

  • Febre
  • Dor de garganta
  • Falta de ar
  • Tosse
  • Dor de cabeça na região frontal

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS