Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Emílio Leobet, 1559, sala 21 - Bairro Avenida Central - Gramado/RS - CEP: 95670-000
Fones: (54) 3286.1666 - Fax: (54) 3286.4015

PUBLICIDADE
Londres

Casal encurralado ligou para os pais momentos antes de morrer em incêndio

Arquitetos não conseguiram fugir do 23º andar do prédio em chamas

Natalie OXFORD /AFP
O edifício de 120 apartamentos incendiou durante a madrugada do último dia 14
Quando perceberam que as chamas haviam queimado qualquer possibilidade de fugir com vida do incêndio do Grenfell Tower, em Londres, Gloria Trevisan e Marco Gottardi tiveram uma única reação: telefonar para os pais. "Sinto muito nunca mais poder te abraçar", teria dito Gloria, como contou seu pai Loris ao jornal italiano La Repubblica.

O casal italiano estava no 23º andar do prédio, quando viram as chamas que mataram dezenas de pessoas se alastrarem. Com poucas chances de escapar, os dois arquitetos de 27 anos, fizeram ligações desesperadas.

"Eu tinha minha vida inteira pela frente. Não é justo. Eu não quero morrer. Eu queria te ajudar, te agradecer por tudo que fez por mim. Eu estou indo para o céu, vou te ajudar de lá" - teriam sido as últimas palavras de Gloria, como contou seu pai.

A filha teria telefonado na casa deles em Pádua, na Itália, mais cedo para dizer que havia um incêndio no quarto andar. Ela teria assegurado a ele que os bombeiros estavam conseguindo extinguir o fogo. Depois disso vieram os telefonemas derradeiros.

Quando eles viram o fogo pela televisão, o pai de Gloria disse ter ouvido da filha que ?eles queriam descer, mas viam chamas subindo as escadas e a fumaça era cada vez mais intensa?.

A linha telefônica caiu por volta de três horas da manhã. Fizeram centenas de ligações à filha, mas não conseguiam mais contato.

Marco Gottardi também telefonou para sua família duas vezes. Primeiro tentando tranquilizar, e depois perdendo as esperanças. O jovem teria dito que o apartamento estava ?coberto de fumaça? e a situação era grave, como contou seu pai, Giannino Gottardi, ao jornal Il Mattino di Padova.

"Na primeira chamada, Marco nos disse para não nos preocuparmos, que tudo estava sob controle. Ele estava tentando minimizar o que estava acontecendo, provavelmente para não nos preocupar", disse. "Mas na segunda ligação, e não consigo tirar isso da minha cabeça, ele disse a fumaça estava tomando tudo e tinha virado uma emergência. Nós ficamos no telefone até o último momento".


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS