Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Emílio Leobet, 1559, sala 21 - Bairro Avenida Central - Gramado/RS - CEP: 95670-000
Fones: (54) 3286.1666 - Fax: (54) 3286.4015

PUBLICIDADE
Chiclete do rádio

O triunfo do reggaeton, da marginalização ao 'Despacito'

Gênero caribenho, que já sofreu censura pelas menções a sexo e drogas, ganhou o mundo

Sergi Alexander/Getty Images/AFP
Luis Fonsi e Daddy Yankee, intérpretes do sucesso Despacito, em show na Florida, em abril deste ano
O reggaeton toca sem parar nas rádios, embora seus intérpretes raramente sejam convidados para prêmios musicais. Mas o sucesso de Despacito marca o triunfo do gênero depois de anos de censura e marginalização por sua relação com os porto-riquenhos das classes mais baixas.

Pouco a pouco, com um ritmo suave, a canção dos porto-riquenhos Luis Fonsi e Daddy Yankee se tornou no mês passado a primeira música em espanhol a dominar o mercado anglo-saxão desde Macarena, em 1996.

Mas o percurso foi longo. Como nasceu o reggaeton e como superou os estereótipos que o marginalizaram desde o início?

A isso responde Petra Rivera-Rideau, professora de Estudos Americanos na Universidade de Wellesley em Massachusetts e autora do livro "Remixing Reggaetón: The Cultural Politics of Race in Puerto Rico".

AFP - Como o reggaeton evoluiu?

Petra Rivera-Rideau - O reggaeton tem uma história longa e complexa. Embora muitas vezes seja associado a Porto Rico, combina influências musicais de toda a bacia do Caribe. Duas de suas maiores influências são o hip hop e o dancehall (ritmo jamaicano), que chegou pelo Panamá.

Nos anos 1990, os DJs porto-riquenhos combinaram estes elementos com outras influências para criar uma música "underground" que circulou informalmente.

O "underground" era música de festa, mas também dava espaço às críticas políticas e temas como pobreza, racismo e brutalidade policial.

À medida que o "underground" se propagou, passou a ser alvo de campanhas de censura em meados dos anos 1990 que, ironicamente, ajudaram a mostrar o gênero a novos públicos. Nesta época começou a ser conhecido como "reggaeton".

Em 2012, Tego Calderón lançou El Abayarde, o álbum que levou o reggaeton ao "mainstream" de Porto Rico. Depois, em 2004, Daddy Yankee lançou Gasolina, que colocou o reggaeton no mapa da música latina.

AFP - Por quais problemas o gênero passou?

Petra Rivera-Rideau - Desde o início o reggaeton teve uma reputação de hipersexualizado, misógino e de estar relacionado às drogas e ao crime.

No meu livro, repasso duas campanhas de censura [...]. Uma foi em 1995, quando a polícia confiscou gravações por suas associações com o sexo e as drogas; a outra aconteceu em 2002, quando o Senado porto-riquenho realizou audiências para analisar o que percebia como representações hipersexualizadas das mulheres nos clipes musicais.

Estas campanhas de censura foram motivadas por estas novas expressões sobre o que era ser negro e porto-riquenho. O reggaeton deu aos artistas uma oportunidade de articular suas conexões com a diáspora africana, especialmente para a juventude negra, e isto ameaçava o dogma de que não existia racismo em Porto Rico, porque mostrou que isso era falso.

AFP - As letras são muitas vezes acusadas de misóginas, como o reggaeton responde a isso?

Petra Rivera-Rideau - Penso que temos que ser críticos com as representações misóginas do reggaeton. Não obstante, não acredito que devamos culpá-lo exclusivamente por isso.

O gênero não opera no vazio: há problemas maiores de misoginia que devem ser abordados pelas sociedades de Porto Rico, dos Estados Unidos e da América Latina. E também pelas elites, que muitas vezes são deixadas de lado neste tipo de discussão.

AFP - Em geral, as elites são as que mais criticam o reggaeton como um gênero "menor". Por que essa percepção?

Petra Rivera-Rideau - O reggaeton sempre esteve ligado a comunidades vítimas de estereótipos problemáticos associados a comunidades pobres e não brancas.

Isto é o prolongamento dos antigos estereótipos e da discriminação institucionalizada que desde os tempos da escravidão existiram sobre a raça e a classe em Porto Rico e nas Américas.

AFP - Neste contexto de marginalização, como se interpreta o sucesso de Despacito?

Petra Rivera-Rideau - Despacito é complicado. Por um lado, podem vê-lo como "sucesso", porque mostra que o reggaeton nunca desapareceu como seus críticos asseguravam que aconteceria.

Por outro lado, Luis Fonsi não canta normalmente esse tipo de música. Seu trabalho anterior é basicamente pop e balada, dois gêneros que não foram criticados e marginalizados como o reggaeton, nem sujeitos a associações estereotipadas com as drogas, o crime e a sexualidade.

Muita gente comentou que Justin Bieber se apropriou do reggaeton para o próprio proveito, mas se este é o caso, pode-se argumentar o mesmo sobre Luis Fonsi.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS