Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Emílio Leobet, 1559, sala 21 - Bairro Avenida Central - Gramado/RS - CEP: 95670-000
Fones: (54) 3286.1666 - Fax: (54) 3286.4015

PUBLICIDADE
Teoria conspiratória?

WikiLeaks diz que CIA quebra senhas e pode invadir carros e tevês

Documentos fariam parte de um chamado arsenal hacker da Agência Central de Inteligência Americana

SXC.HU
WikiLeaks publicou milhares de documentos do que seria uma iniciativa hacker da CIA
A CIA pode transformar sua TV em um dispositivo de escuta, contornar aplicativos populares de criptografia e, possivelmente, controlar seu carro, de acordo com documentos publicados pelo WikiLeaks nesta terça-feira. Segundo o WikiLeaks, os documentos mostram que a Agência Central de Inteligência americana (CIA) rivaliza com a Agência de Segurança Nacional, o principal órgão de espionagem eletrônica do governo americano, na guerra cibernética, mas com menos vigilância.

O Wikileaks divulgou cerca de 9.000 documentos que, segundo esta organização, são da CIA, qualificando a ação como a maior publicação de materiais de inteligência secreta até hoje. "Nós não comentamos sobre a autenticidade ou o conteúdo de supostos documentos de inteligência", disse o porta-voz da CIA Jonathan Liu em um e-mail.

O WikiLeaks afirmou que um vasto acervo de documentos da CIA, que representavam "a maioria do seu arsenal de hacking", tinha sido vazado dentro da comunidade de segurança cibernética, e que havia recebido e publicado uma parte dele. "Essa coleção extraordinária, que equivale a centenas de milhões de linhas de códigos, dá ao seu possuidor toda a capacidade de hacking da CIA", disse.

"O arquivo parece ter circulado entre antigos hackers e contratados do governo dos Estados Unidos de maneira não autorizada, um dos quais forneceu ao WikiLeaks partes do arquivo", acrescentou. O WikiLeaks disse que os documentos mostram que a CIA produziu mais de 1.000 sistemas de malware, programas maliciosos que podem se infiltrar e assumir o controle de aparelhos eletrônicos.

Estas ferramentas de hacking tiveram como alvo iPhones, sistemas Android, softwares populares da Microsoft e smart TVs da Samsung, que podem ser transformadas em microfones encobertos, de acordo com o WikiLeaks. A agência também examinou o hacking nos sistemas de controle eletrônico de carros e caminhões, potencialmente tornando-se capaz de controlá-los. Ao infectar smartphones, a CIA pode contornar as tecnologias de criptografia de aplicativos populares como WhatsApp, Signal, Telegram, Weibo e Confide, coletando comunicações antes delas serem criptografadas, afirmou o WikiLeaks.

A organização disse que o vazamento dos documentos sugere que a CIA não controlou suficientemente suas próprias armas cibernéticas, potencialmente permitindo que caíssem nas mãos de outros hackers. "Muitas das vulnerabilidades usadas no arsenal cibernético da CIA estão disseminadas e algumas podem já ter sido encontradas por agências de inteligência rivais ou criminosos cibernéticos", apontou.

Em uma declaração, o fundador e editor-chefe do WikiLeaks, Julian Assange, disse que os documentos mostram o "risco extremo" da disseminação descontrolada de armas cibernéticas. "Comparações podem ser feitas entre a proliferação descontrolada de tais 'armas', que resulta da incapacidade de contê-las combinada com seu alto valor de mercado, e o comércio mundial de armas", acrescentou.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS