Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Emílio Leobet, 1559, sala 21 - Bairro Avenida Central - Gramado/RS - CEP: 95670-000
Fones: (54) 3286.1666 - Fax: (54) 3286.4015

PUBLICIDADE
Motores
Impressões ao dirigir

A tecnológica Amarok

Picape média da Volkswagen ganhou, em novembro passado, novo visual e mais equipamentos para enfrentar as rivais

Adair Santos/GES-Especial
Amarok

Reestilizada em novembro passado, a Amarok aposta em um pacote tecnológico ainda mais recheado para se destacar em um segmento disputadíssimo, que tem competidores como a líder Chevrolet S10, Toyota Hilux, Ford Ranger, Mitsubishi L200 Triton Sport e Nissan Frontier, cuja nova geração chega em março. São sistemas eletrônicos que a Volkswagen chama de “a força da inteligência”, como reforça em seus comerciais.

É justamente esse pacote eletrônico que tira máximo proveito dos 180 cv de potência e 42,8 kgfm de torque desenvolvidos pelo pequeno 2.0 turbodiesel. Em tese, são números que não impressionam tanto quanto os 200 cv e 51 kgfm da S10, por exemplo. Mas na prática, sobra força em todos os regimes. A transmissão automática de 8 marchas com invejável escalonamento é decisiva para compensar a menor cavalaria e equipará-la às concorrentes.

Como há vasta oferta de torque em baixas rotações, a retomada a 50 km/h é feita em quinta marcha. A 80 km/h, o motor está a apenas 1.400 rpm e, a 110 km/h, velocidade máxima da free way, sobe para apenas 1.900 rpm. É preciso atenção ao pedal do acelerador, pois o silêncio a bordo não denuncia o aumento de velocidade. Somente ao pisar mais fundo ou no modo esportivo – acionado com um leve toque para trás na alavanca – é que se percebe o consistente rugido do 2.0.

Com ótima dirigibilidade, a versão mantém a trajetória no asfalto – há controles de estabilidade e tração –, mas em calçamentos irregulares revela-se um pouco “saltitante”, algo comum às picapes. No mais, agrada bastante a qualidade de construção – aliás uma das grandes qualidades dos carros da Volkswagen.

Faltou câmera de ré...

Adair Santos/GES-Especial
Amarok

O senão fica por conta do acabamento do painel, repleto de plásticos, o que infelizmente é regra entre as picapes médias, e na Trendline, pela falta da câmera de ré (de série só a partir da Highline), indispensável em um veículo com 5,25 m de comprimento. O sensor de estacionamento mostra, por meio de um gráfico no sistema multimídia, a aproximação de objetos, mas só uma câmera é capaz de mostrar com precisão uma criança brincando atrás da picape, por exemplo. O volante de Jetta e as linhas modernas dão a sensação de que se está em um carro de passeio, com a vantagem do amplo espaço interno e da posição alta de dirigir. Isso sem contar o fato de que se impõe na estrada pelo seu porte avantajado: são 1,94 m de largura, 1,83 m de altura e 3,09 m de entre-eixos.

Sistemas de ‘‘infotainment’’

Adair Santos/GES-Especial
Amarok

Os sistemas de ‘‘infotainment’’ são muito modernos, capazes de espelhar o celular com as plataformas MirrorLink, Google Android Auto e Apple Carplay. O interior também passou por uma reestilização, ganhando linhas mais horizontais e saídas de ar com formas retangulares.

A Trendline passa a contar com tear kemisu cinza – bancos em couro só a partir da Highline. Todas as versões estão mais equipadas, contando com sistema de alarme acústico e visual para os cintos de segurança não-afivelados nos bancos dianteiros. Na Highline, air bags laterais de tórax e de cabeça para motorista e passageiro e faróis bixenônio com luz de condução diurna (DRL) em LED agora são equipamentos de série.

2.0 turbodiesel desenvolve 180 cv

Adair Santos/GES-Especial
Amarok

A linha 2017 é oferecida nas versões S (cabine simples e dupla), SE, Trendline, Highline e Highline Série Extreme (essas sempre com carroceria de cabine dupla). A S conta com o motor 2.0 turbodiesel com 140 cv de potência e 34,7 kgfm de torque, atuando em conjunto com o câmbio manual de seis marchas.

As demais configurações, como a Trendline testada, são equipadas com o 2.0 diesel com dois turbocompressores, desenvolvendo potência de 180 cv e torque de 40,8 kgfm com câmbio manual (versão SE) e 42,8 kgfm com transmissão automática de oito velocidades (item de série nas demais configurações). A transmissão nas quatro rodas 4Motion é permanente e contribui para a ótima estabilidade.

Rodas em liga-leve com novo visual

A picape conta com novas rodas em liga-leve que vão dos tamanhos 16’’ a 20”. Na Trendline, são 17” estilo posadas, calçadas com pneus 245/65. O adesivo 4Motion nas laterais da caçamba de todas as versões, desde a cabine simples, e o santo-antônio esportivo na cor da carroceria realçam a esportividade. A Highline passa a contar de série com o indicador de perda de pressão dos pneus.

Frenagem automática pós-colisão

De série, traz sistema de freios Post-collision Braking (frenagem automática pós-colisão), que aciona automaticamente os freios após uma batida para reduzir a energia cinética residual, baseado na detecção da colisão inicial pelos sensores dos air bags.

Freios ABS “off road”, Isofix e sistemas de auxílio ao motorista como o BAS (Assistência à Frenagem), ASR (Controle de Tração) e EDS (Bloqueio Eletrônico do Diferencial) são equipamentos de série. Juntamente com o Controle Eletrônico de Estabilidade (ESC), conta com HDC (Hill Descent Control ou Controle Automático de Descida) e HSA (Hill Start Assist ou Assistente para Partida em Subida).

Os preços

Cabine simples: R$ 113,99 mil

S cabine dupla: R$ 126,99 mil

SE: R$ 130,99 mil

Trendline: R$ 148,99 mil

Highline: R$ 167,99 mil

Fonte: Volkswagen


Motores

por Adair Santos
abcmotores@gruposinos.com.br

Gasolina na veia - O tricampeão de Fórmula 1 Nelson Piquet sempre alardeava que nas suas veias não corria hemoglobina, e sim gasolina. Uma anomalia genética que atinge milhões de pessoas no mundo e, pelo jeito, não tem cura. Jornalista há 15 anos, Adair Santos é um desses anormais que literalmente respiram tudo que diz respeito a veículos. Editor do caderno Motores, que circula semanalmente às quartas-feiras no Jornal NH, Jornal VS e Diário de Canoas, é apaixonado por carros, motos e aviões - ou seja, tudo o que tem motor, exceto a maquininha de obturação do dentista. Motores invade a rede - Os carros recém-lançados, aqueles protótipos bizarros que talvez nunca cheguem às ruas, dicas úteis sobre veículos e testes exclusivos. Além da versão impressa, que circula semanalmente às quartas-feiras no Jornal NH, Jornal VS e Diário de Canoas, agora as notícias sobre veículos contam com este importantíssimo espaço virtual para serem divulgadas. Não deixe de participar mandando sugestões e, quem sabe, até um flagrante fotográfico de um veículo que ainda está em fase de testes e futuramente vai ser fabricado no Brasil. Eu e minha máquina - Se você tem orgulho da sua máquina, seja ela um carro antigo ou novo, motocicleta, um triciclo ou até bicicleta, envie sua foto. Junto, informe seu nome completo e idade, cidade onde reside, telefone para contato, marca, modelo, ano de fabricação do veículo e desde quando tem ele na garagem. Mas atenção: não vale mandar só a foto do carro ou moto, você também tem que aparecer na imagem. Então, mãos à obra: passe uma cera na lataria, um gel no cabelo e faça o registro fotográfico.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS