Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Rua Emílio Leobet, 1559, sala 21 - Bairro Avenida Central - Gramado/RS - CEP: 95670-000
Fones: (54) 3286.1666 - Fax: (54) 3286.4015

PUBLICIDADE
Investigação

Odebrecht transferiu 600 mil dólares a diretor de Inteligência argentino

De acordo com a investigação, os cinco pagamentos que totalizam US$ 594.518 foram feitos entre 25 e 27 de setembro de 2013
AFP
Odebrecht
Leonardo Meirelles, operador financeiro da Odebrecht condenado na Lava Jato, transferiu em 2013 cerca de 600 mil dólares em cinco parcelas a uma conta do atual diretor da Agência Federal de Inteligência (AFI) da Argentina, Gustavo Arribas.

A informação surge do registro de transferências bancárias da Odebrecht feito por Meirelles, de acordo com a documentação fornecida por ele à Justiça brasileira e cujas cópias foram obtidas pelo jornal argentino La Nación.

Os valores

As transferências foram feitas de uma conta bancária em Hong Kong, na China, controlada por Meirelles através de uma empresa "de fachada", supostamente destinada ao pagamento de subornos, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Os registros indicam que o dinheiro foi transferido a uma conta de Arribas na sucursal Zurich del Crédit Suisse, que aparece em sua declaração de bens.

De acordo com a investigação, os cinco pagamentos que totalizam US$ 594.518 foram feitos entre 25 e 27 de setembro de 2013. Segundo a denúncia do La Nación, os pagamentos coincidem com a data em que foi anunciada a reativação de um contrato para uma linha de trem em Sarmiento, que une Buenos Aires com a periferia oeste. O projeto, que prevê onze estações subterrâneas em 30 quilômetros de túnel, teve idas e vindas por duas décadas, mas as obras começaram em outubro passado. Dele participaram a empresa italiana Ghelli, a Odebrecht e a IECSA, de Angelo Calcaterra, primo do presidente Mauricio Macri.

Segundo o La Nación, o chefe da AFI só reconheceu ter recebido uma transferência de 71 mil dólares, que atribuiu a uma venda de um imóvel em São Paulo.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS